Blitz na BR-020 alerta população sobre o tráfico de pessoas

Ação promovida nesta quinta-feira (20) pela Secretaria de Justiça e Cidadania mobilizou cerca de 100 pessoas em torno do tema

Personagens da Organização Ser Criança, que conscientiza sobre crimes contra menores, participaram da ação. Foto: Andre Borges.

A Secretaria de Justiça e Cidadania, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, realizou nesta quinta-feira (20) uma blitz de conscientização e prevenção ao tráfico de pessoas. Cerca de 100 participantes atuaram nos esclarecimentos sobre a importância ao combate a esse tipo de crime.

A operação foi na BR-020, entre Planaltina (DF) e Formosa (GO), e durou aproximadamente três horas. Das 14 às 17 horas, seis agentes distribuíram folders informativos e tiraram dúvidas da população.

O intuito da campanha foi alertar motoristas e passageiros sobre como denunciar e se proteger desse tipo de prática. Ao todo, 300 folders foram distribuídos, e 100 pessoas assistiram ao vídeo de denúncia dentro do prédio da própria Polícia Rodoviária.
2,5 milhõesEstimativa do número de vítimas do tráfico de pessoas a cada ano no mundo

De acordo com o diretor de enfrentamento ao tráfico de pessoas da Secretaria de Justiça e Cidadania, Flavio Alves da Silva, esse tipo de crime, o terceiro mais rentável do mundo, atinge 2,5 milhões de pessoas por ano.

Silva ressalta a importância da prevenção. “Em 2015, tivemos um caso de 12 adolescentes que foram aliciados por uma escolinha de futebol em Planaltina e por pouco não se tornaram vítimas. Na ocasião, um policial identificou a ação e denunciou o grupo.”

O tráfico humano, segundo ele, é um crime cruel que ainda faz um grande número de vítimas em todo o mundo, inclusive no Brasil. “É importante esse tipo de ação nas rodovias, ainda mais na véspera de feriado, quando o fluxo é maior”, completa Karina Curi Rosso, subsecretária de Políticas para Justiça e Cidadania e Prevenção ao Uso de Drogas.
Direitos humanos

A Secretaria de Justiça e Cidadania, por meio da Diretoria de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Apoio ao Migrante e Refugiado (DETP), atua no combate a crimes dessa natureza com base na lei 13.344 de 2016.
Objetivo é inibir crimes como exploração sexual, trabalho escravo e venda de órgãos

A mobilização tem como objetivo inibir crimes de exploração sexual, de trabalho escravo e de venda de órgãos, entre outras violações dos direitos humanos.

No Distrito Federal, foram contabilizados 17 registros envolvendo 94 pessoas entre suspeitas e casos configuradores da ação criminosa. De acordo com a pasta, o número é baixo tendo em vista a complexidade dos casos.

Para Flavio Alves da Silva, diretor de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, da Secretaria de Justiça e Cidadania, a proposta das ações é justamente mudar o quadro e inibir esse tipo de prática.

Comentários