Artista do DF produz esculturas de aço e madeira em grandes formatos




As peças são produzidas mediante parceria com metalúrgicas. Primeira obra foi
sugestão de construtora, segundo Rogério Reis


Brasília, 1º de setembro de 2016

Do material que vem de parceria com metalúrgicas, o artista plástico Rogério Reis produz peças contemporâneas que chegam a valer até R$ 20 mil. Aço carbono, tinta e resina poliuretano, madeira, vernizes dos tipos fosco e brilho, e até alumínio, são algumas das matérias-primas utilizadas pelo brasiliense para a produção das esculturas.

A primeira escultura de aço produzida por Rogério Reis foi uma encomenda da construtora Vilella & Carvalho para uso externo. Até então, o artista só havia criado peças para ambientes fechados. “Foi o desafio que me fez desenvolver a linguagem das fitas em aço que compõe os desenhos das Morfoses”. Só no Noroeste, novo bairro de Brasília, foram mais de dez esculturas de aço com três metros de altura. “As obras variam de preço conforme seu tamanho e complexidade”, assegura Reis. A última criação em aço do artista foi uma peça da Série Cubo, de 1,8m de altura.

Para o habilidoso artesão, sua obra mais impactante é a que se encontra em frente à loja Artefacto no Lago Sul, com mais de quatro metros de altura e multicolorida. “Na concepção da obra usei como argumento o trabalho de Sol Levitt e as parcerias de artistas para a marca Louis Vuitton, como Yayoi Kusama e Takashi Murakami, que se utilizaram muito do uso das cores”, comenta o artista, criador do conceito das Morfoses — linguagem em escultura contemporânea que mescla a arte, o design e o pensamento.

Ainda entre suas produções para as construtoras, vale destacar uma escultura de quase seis metros para o condomínio Ilhas Maurício, um dos mais nobres do Park Sul. A “Ilha do Sol que tudo abarca”, com oito centímetros de espessura, pesa mais de 250kg e foi desenhada em diferentes tons de amarelo e azul. “É a maior escultura que já realizei”, declara Reis.

Segundo ele, nos halls internos foram colocadas outras seis peças menores. “Cada uma possui cores distintas e o fio condutor é a ideia do sol, tal como uma ilha. O título dessas seis obras foi Fragmentos da Ilha do Sol. Há, então, uma comunicação entre a parede principal e os halls espalhados pelo condomínio”, esclarece.

Curiosidades sobre esculturas em aço:

Obras artísticas podem ter todos os tamanhos. Por isso, lembre-se que neste caso, o céu e o limite. Em Chicago, por exemplo, o artista Anish Kapoor criou uma peça que mede 10 m de largura, 20 m de comprimento e 13 m de altura. Totalmente feita em aço inox, a escultura chamada Cloud Gate pesa 99,5 toneladas, é totalmente feita com chapas soldadas e altamente polidas, sendo impossível ver suas emendas;
Em Porto Alegre, o escultor Carlos Tenius criou o Monumento aos Açorianos, que é todo feito em aço, possuindo 17 m de altura por 24 m de comprimento;
Muito melhor do que procurar esculturas pela internet é vê-las pessoalmente. Por isso, procure museus e outros locais na sua cidade onde você possa entrar em contato com este tipo de trabalho. Muitas vezes, você não vai precisar gastar nada para fazer isso e a atividade ainda pode se tornar um bom passeio com a família;
Um grande acervo de esculturas em aço pertence a Pinacoteca de São Paulo e pode ser visitada gratuitamente no Parque da Luz;

Sobre Rogério Reis


 Rogério Reis é graduado em Programação Visual pela Escola de Belas Artes – UFRJ. Como artista plástico, desenvolveu o conceito das Morfoses, linguagem que se situa na fronteira entre arte, design e pensamento. Estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Laje com Daniel Senise, Fernando Cocchiaralle (curador do MAM), Nelson Leiner (Bienal de Veneza) e Charles Watson.