Saúde Pública // Dia Nacional da Imunização // Brasília-DF



No dia Nacional da Imunização fica o alerta: adultos também devem se proteger

Nesta fase, deve se tomar a vacina da febre amarela, tríplice viral, hepatite B e dupla adulto (difteria e tétano)

BRASÍLIA (9/6/16) - Nesta quinta-feira (9) é o Dia Nacional da Imunização. A data tem o objetivo de lembrar a importância da vacinação e seus benefícios para a saúde individual e coletiva da população. A vacinação representa um dos maiores avanços da saúde pública.

Existem vacinas específicas para cada etapa da vida, seja em forma de gotas ou aplicadas com seringas. Desde o nascimento já se faz necessário iniciar o ritual de imunização. No entanto, é importante ficar atento a todas as vacinas necessárias para cada fase, uma vez que se observa que a procura é maior apenas para as crianças.

"O cartão de vacinação deve ser visto como um documento importante para a nossa vida, assim como um documento de identificação. De posse dele é possível analisar todas as vacinas que a pessoa já tomou e quais ainda faltam tomar. É comum você ver um adulto que não se recorda se já tomou algum tipo de vacina específica. Na dúvida, recomendamos que seja feita a vacinação", explica a diretora da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, Cristina Segatto.

As vacinas geralmente são feitas a partir de vírus ou bactérias da doença que estão mortos ou atenuados. Como o corpo não reconhece que o vírus ou bactéria está morto ou atenuado, ele vai fabricar substâncias que vão combatê-lo. Assim, quando o organismo estiver suscetível ao contágio da doença, ele já terá criado anticorpos para defendê-lo.

Ao nascer, o recém-nascido toma as vacinas para a prevenção da tuberculose grave e hepatite B. Depois, até os 15 meses, ele toma doses de vacinas e reforços contra diversas doenças como, pneumonia, meningite, difteria, tétano, poliomielite e febre amarela. Um novo reforço de algumas vacinas deve ser feito aos quatro anos de idade.

Depois disso, os intervalos passam a ser maiores. Para as meninas de 9 a 13 é necessário tomar a vacina contra o HPV (Papilomavírus Humano). Gestantes e pessoas com 60 anos ou mais precisam tomar algumas vacinas específicas. Já durante a adolescência e a fase adulta é necessário já ter tomado as vacinas contra a febre amarela, tríplice viral, hepatite B e dupla adulto (difteria e tétano), quem não tiver comprovação de que tenha tomado essas vacinas ou não se lembrar, deve procurar um posto de vacinação e ser vacinado.
"A novidade do calendário deste ano é que não será mais necessário tomar um reforço a cada dez anos para a vacina da febre amarela. A partir de julho se a pessoa já tiver tomado a vacina duas vezes na vida ela já é considerada imunizada contra a doença", destaca Segatto.

Todas as vacinas disponibilizadas pelo Ministério da Saúde são aplicadas nos centros e postos de saúde. Confira aqui o calendário de vacinação de 2016