Jornalismo Científico // Paleontologia


vasos sanguineos fossil dinossauro 80 milhoes de anos 
Por Bruno Rizzato
Pesquisadores confirmaram que estruturas encontradas, com 80 milhões de anos, do fóssil de um dinossauro, são seus vasos sanguíneos.

 Pesquisas anteriores sugeriram que os vasos sanguíneos poderiam ser preservados ao longo de milhões de anos, mas os cientistas estavam compreensivelmente céticos quando viram, pela primeira vez, as estruturas. Agora, sua existência foi confirmada.
Os vasos foram vistos pela primeira vez após a desmineralização de um pedaço de osso da perna de um Brachylophosaurus canadensis de 9 metros de comprimento, um hadrossauro de cerca de 80 milhões de anos. O responsável foi o paleontólogo molecular Tim Cleland, enquanto ele ainda era um estudante de pós-graduação.

Cleland, que atualmente é um pesquisador da Universidade do Texas, nos EUA, juntamente com sua equipe, tentou por anos identificar várias proteínas distintas presas no interior dos vasos, incluindo a miosina, que é encontrada nos músculos lisos que compõem as paredes dos vasos sanguíneos. E ele conseguiu, publicando os resultados noJournal of Proteome Research.

Para se certificar de que o que eles estavam vendo realmente pertencia a um dinossauro, a equipe comparou as proteínas nos vasos sanguíneos fossilizados com aqueles encontrados em seus parentes diretos, como galinhas e avestruzes. Surpreendentemente, as sequências encontradas em ambas as amostras antigas e modernas condiziam com as encontradas nos vasos sanguíneos.

“Este estudo é a primeira análise direta dos vasos sanguíneos de um organismo extinto, e nos fornece uma oportunidade de compreender que tipos de proteínas e tecidos podem persistir e como eles mudam durante a fossilização. Isto irá fornecer novos caminhos para a prossecução de questões relativas às relações evolucionárias de organismos extintos, e irá identificar modificações significativas de proteínas e quando elas poderiam ter surgido nessas linhagens”, disse Cleland.
 vasos sanguineos fossil dinossauro 80 milhoes de anos 1
  
O especialista foi capaz de identificar as proteínas antigas utilizando um processo conhecido como espectrometria de massa de alta resolução, que é, basicamente, quando uma amostra é bombardeada com elétrons, para que sua estrutura seja visualizada. Sua técnica agora pode ser usada para saber mais sobre as proteínas em uma gama extensa de materiais fossilizados.

"Parte do valor desta pesquisa é que ela nos dá uma visão sobre como as proteínas podem modificar e alterar em mais de 80 milhões de anos. Isso nos diz não somente como preservar os tecidos ao longo do tempo, como também nos dá a possibilidade de olhar para a forma como estes animais se adaptaram ao seu ambiente, enquanto estavam vivos”, disse uma das pesquisadoras, Mary Schweitzer, paleontóloga molecular da Universidade do Estado da Carolina do Norte.


Fonte: Science Alert Fotos: Reprodução / M. Schweitzer / North Carolina State University e Wikipédia Commons